quarta-feira, abril 23, 2008

Respeito à vida

No ano passado, um "artista" de nome Guillermo Habacuc Vargas, surpreendeu o mundo ao colocar em exposição sua "obra": um cão sarnento, preso pela coleira, sem água nem comida durante a Bienel Costarriquense de Artes Visuais. Acima do cão os dizeres, escritos com ração, diziam "Eres lo que lees". O animal. que se chamava Natividad (Natal), morreu antes do término do evento, de fome e sede (el perrito vive).

O que me surpreende não é apenas a insensibilidade do "artista", mas a incapacidade dos seres que estiveram durante a Bienal de não fazerem absolutamente nada para aliviar o sofrimento do cachorrinho. Porque ninguém atacou os dizeres de ração na parede para alimentar o bicho? Porque ninguém ofereceu água para o coitado?

A sacanagem não pára aí. O "digníssimo" senhor Habacuc Vargas quer repetir a façanha na Bienal Centroameircana de Honduras deste ano. Eu já assinei a petição para boicotar a presença deste desumano no evento. E torço para que uma sociedade protetora dos animais faça o que tiver de ser feito contra tal absurdo. Assine você também: petitiononline

terça-feira, abril 22, 2008

Jornalismo ou circo?

Não queria comentar, mas estou no limite. Dizer-se jornalista num país em que 90% das matérias divulgadas são sobre a morte da menina Isabella é vergonhoso!

quarta-feira, abril 16, 2008

Vergonha

Sair de casa para visitar um amigo e constatar que, às 20h30, São Paulo segue com congestionamento monstro. Se antes (há menos de um ano) eu demorava 40 minutos para sair da Paulista e chegar na região Morumbi, agora levo uma hora e meia.

Decididamente, a cidade está ficando insustentável para quem precisa enfrentar essa realidade todos os dias...Pena que só os governantes não enxerguem isso.

segunda-feira, abril 14, 2008

Ministério da Saúde adverte:

Com a proliferação dos casos de dengue no país, todo cuidado é pouco. A última que soube veio do Carlão:

Certifique-se de se secar bem depois de tomar banho. Sabe-se que o mosquito da dengue se reproduz nas águas paradas dos pneus.

:)

quinta-feira, abril 03, 2008

Educação pública

Ao contrário do que é propagado na grande imprensa, tenho encontrado muitos professores comprometidos com o ensino público, muitos dos quais são formados, pós-graduados e prestes a tirar o certificado de doutorado. E o que tenho ouvido deles é preocupante.

Alunos de sexta-série que não sabem tabuada - os professores, para motivá-los, criam jogos, como bingo, para ajudar no aprendizado. Jovens que não entendem o que lêem. Educadores ameaçados de morte durante as aulas.

Do outro lado, o poder público que não colabora. Para padronizar o ensino e recuperar o péssimo desempenho de algumas escolas no Saresp, o governo do estado de Sâo Paulo decidiu criar algumas ações que vão afetar todas as escolas, entre elas aulas de reforço e compilação de novo material didático.

O que ouvi a respeito deste novo material não foi animador e, ao que parece, a padronização, embora necessária, está sendo nivelada por baixo. Algumas escolas serão obrigadas a revisar o conteúdo com os alunos - sob o risco de atrasar ainda mais o seu desempenho educacional. Também vieram com erros gritantes - e algumas disciplinas, como o inglês, não foram devidamente abordadas.

Outras iniciativas, como incluir músicas no ensino de línguas, foram positivas. Mas "o caráter emergencial" com que tais medidas foram adotadas não deu tempo para que os professores se preparassem devidamente.

Isso, sem contar o sucateamento das escolas que não tem infra-estrutura nem acervo dignos da educação de qualidade a que todos ansiamos para nossas crianças e jovens. Ou, pior ainda, condições de oferecer a segurança necessária para que a escola seja um ambiente propício para o aprendizado de conteúdo e valores morais.

No interior de São Paulo, alguns municípios têm adotado metodologias prontas de grifes educacionais, como Anglo e Positivo, na esperança de padronizar com qualidade. alguns pedagogos criticam a iniciativa, acusando o poder público de jogar a responsabilidade do ensino para o setor privado. Para estes especialistas, a adoção desses métodos também não levam em conta a realidade local, nem prepara os alunos para a reflexão crítica - ao contrário, são receitas prontas de como passar no vestibular.

Como se não bastasse, há pais que jogam para os professores a responsabilidade de educar e dar limites aos seus filhos. Como se a eles, os pais, lhes bastasse apenas mimar e fazer as vontades de seus rebentos.


Impor limites e respeito às autoridades não quer dizer ausência de questionamento. Trabalhar com competência e comprometimento é dever de todos. Desenvolver conteúdo de qualidade e que respeita as diferenças é função do Estado.

Está na hora da sociedade fazer uma reflexão séria sobre o futuro que esperamos para o nosso Brasil.

quarta-feira, abril 02, 2008

Pratique leite

Quem me conhece sabe que sou uma defensora árdua, quase ecochata, das latas de aço. Além de serem 100% reciclaveis, são herméticas a ponto de não exigirem adição de conservantes. É por isso que o leite condensado em lata é mais gostoso que o de caixinha, assim como o molho de tomate é mais consistente. E a lata de óleo é mais segura (embora emporcalhe mais, é verdade), que a embalagem pet - para quem não sabe, o óleo vegetal estraga quando entra em contato com a luz. Por isso possui muito mais conservante que o óleo enlatado.

Mas, não posso negar que a iniciativa da Tetra Pak de doar, a cada clique em seu site, 500 ml de leite para uma instituição, merece que eu reveja alguns conceitos. Por isso, a cada dia, faço a minha visita diária à página e deixo lá o meu clique por um mundo melhor. Participe você também deste gesto humanitário! Acesse:

Pratique Leite

PS: em parceria com minha amiga Kelli, vamos inaugurar o Minuto da Gentileza. Todo dia tirarmos um minuto de nossa vida para realizar alguma ação nobre. Um e-mail felicitando algum amigo, ajudar algum estranho, sorrir quando os outros nos chateiam... Acreditamos que, tal qual uma corrente do bem, se cada pessoa tiver essa preocupação, estaremos construindo um mundo melhor. A idéia é que o um minuto vire, aos poucos, uma hora, 5 horas, três semanas...

PS2: Outra amiga, a Tati (saudades, moça), costuma dizer que, em momentos de adversidades, tenta pensar como Cristo agiria naquela situação e trazer isso para a sua vida. Engraçado: a Kelli e a Tati sequer se conhecem. Mas o coração de ambas é de uma grandeza que me fortalece. O mundo vale a pena - e tem futuro - por conta de pessoas como elas.