terça-feira, fevereiro 19, 2008

Paradoxo

O que mais me intriga no ser humano é a sua infinita capacidade de magoar àqueles que ama. Sim, porque qualquer pessoa é capaz de pensar duas vezes antes de ofender alguém que não conhece. Mas na hora de falar com a namorada, a mãe, o irmão... a tolerância cai para índices abaixo de zero.

Não deveria ser o contrário?

terça-feira, fevereiro 12, 2008

Não tô entendendo...

E de repente, tudo fica confuso. Não, não é confuso.

Vou tentar de novo.

E de repente tudo fica nebuloso...

Tá, também não é assim.

O fato é que, caralho, tudo está saindo de um jeito que eu não previa.

Assim. Como uma rasteira.

E desde novembro tem sido uma cacetada atrás da outra.

Ok, também estou sensível - e com uma tendência ímpar para dramatizar tudo.

Mas esse compasso de espera interminável é desanimador.

E estou cansada até para ser otimista.

Pior é que cinco anos vivendo essa vida, aprendi a ter uma tranquilidade interna irritante.

Sim, irritante.

Porque isso significa que, láaaaaa no fundo do meu ser, eu sei que tudo vai dar certo.

Mas essa paciência não me diz, por exemplo, a data exata em que tudo vai começar a dar certo. Ou o quão certo isso vai dar em termos financeiro, pessoal, profissional...

Daí que na superfície do meu ser, tudo é de um cansaço, uma indignação e uma revolta gigantesca.

E tenho dito.